Apoiando o Conselho Internacional de Etnodoxologistas

Todo o Mundo Está Cantando

  
Glorificando a Deus Através da Música de Adoração na Lingua Materna das Etnias

Nesta página você encontra traduções do livro acima.  
Os capítulos serão acrescentados na medida que as traduções forem completadas.
  

  Prelúdio e Fanfarra
Livro de Relatos Globais de Adoração

Você tem algo muito raro em suas mãos: uma coleção de relatos e narrações dos cantos mais distantes do planeta, documentando o poder da música dentro do corpo global de Cristo. Esta antología talvez seja a primeira do seu tipo.

Na maioria dos lugares do mundo, os plantadores de igrejas já não seguem a prática do século dezenove de prover para os novos convertidos os hinos e outros cânticos importados do ocidente simplesmente com letra traduzida ao idioma local.  Apesar da constante urbanização, o desejo de descubrir e conectar-se com a suas raízes étnicas, incluindo melodías, ritmos e instrumentos indígenas, tem crescido enormemente. Nas décadas recentes a pesquisa missionária tem permitido a igreja reconhecer este desejo, o que naturalmente tem aumentado o interesse da igreja e dos missionários pela arte, cultura e música das etnias que querem servir.  Agora chegou o momento de contar a outros estes relatos incríveis.

A ideia para esta coleção pode ser traçada a um comentario memorável que ouvi em 1997 em uma reunião internacional de líderes cristãos em Pretoria, África do Sul.  Depois do meu relato sobre o crescimento da adoração em diferentes partes do mundo, John Bendor-Samuel dos Tradutores Bíblicos Wycliffe se pôs de pé e respondeu vigorosamente ao relato: “Esta é a experiencia da Wycliffe em duas curtas frases.  Em áreas onde os tradutores animaram os novos crentes a entoar as Escrituras recém-traduzidas, as igrejas cresceram muito rápido.  Onde isso não aconteceu, as igrejas cresceram mais vagarosamente”.

Foi só isso que ele disse.  Mas quando tomou o seu assento, eu me levantei do meu, movido tanto emocional como mentalmente.  Algo como fogos de artifício explodiu em meu cerebro.  De repente me veio a ideia de que haveria uma conexão dinámica e estratégica entre o crescimento das pessoas em Cristo e o cantar dos seus próprios cânticos bíblicos.

Neste momento comecei a compilar relatos e a publicar fragmentos deles em uma revista eletrônica ocasional chamada Global Worship Reports.  Muitos relatos vinham de lugares distantes, exóticos, e de onde missionários e músicos, sem fanfarra nem fama, cumpriam quietamente seu chamado de animar as comunidades a oferecer ao Senhor seus cantos indígenas.  Repetidamente descubrí com Deus fortalecia Seu povo mediante atos de adoração e cantos em regiões de perseguição.

Não foi necessária muita persuação para conseguir que Paul Neeley, editor do EthnoDoxology Journal (o único jornal em inglês dedicado à adoração global naquela época) para que ajudasse na compilação de narrações provenientes de todo o mundo.

Relato pós relato nos deixava quase sem ar. Um homem vivendo em uma zona africana de guerra, tendo visto o filme JESUS todas as noites por um mês, havia gravado o enredo em sua mente. Ele acabou compondo um canto épico deste relato de Lucas.  Ele foi de aldeia em aldeia cantando a narração musical, e pode testemunhar como mais de quarenta igrejas se formaram.

Voltamos a ler o relato assombrante de Bruce “Bruchko” Olson de como um cântico a Jesus suprimiu a atividade demoníaca entre os motilones da Colômbia, uma atividade que no pasado havia conducido multiplas pessoas à norte.  No mesmo capítulo do seu libro, Bruchko conta como, cantando a Jesus por quatorze horas no idioma e no estilo de música dos motilones, o grupo inteiro deles se abriu ao Salvador.

Atordoa o pensamento descubrir como os Estonianos manteram sua fé viva durante a era de opressão soviética: quase exclusivamente por meio de cantos.  A pregação e o ensino haviam sido proibidos, mas não o canto.  Os Estonianos abriram o caminho para a liberdade por meio do canto!  

Um pastor mongol que tinha talento musical e conhecia sua cultura, quase que por si só iniciou um movimento musical cristão indígena.  Tanto que a igreja da Mongólia, que era composta em sua maioria de jóvens convertidos, onde se gravitava ao que sabiam e amavam: adoração em um formato ocidental popular, Deus tinha um plano igualmente emocionante para os mongóis de maior idade.  Ele levantou um homem para recapturar a herânça cultural de uma grande terra e redimir suas formas melódicas para o reino de Deus.

Minha amiga, e há muitos anos também colega universitária, Carol Brinneman se ofereceu para editar estes emocionantes relatos para esta coleção.  Carol trocou a sua jornada africana como tradutora com Wycliffe e o seu trabalho para a presente função do Centro JAARS na Carolina do Norte.  Ela tem talento para encontrar as frases precisas.  Também “reorganiza os móveis”, como ela mesmo descreve parte da sua rotina de editora, e converte o equivalente a retratos literários em preto e branco, em quadros coloridos, fazendo-os narrações acessivas, particularmente para os que não são músicos ou não são missionários.  Sua amiga, mentora e colega da Wycliffe, Aretta Loving, com muita capacidade, também a ajudou no polido final.

Tenho uma gratidão especial a expresar a Volney James, assim como à equipe da Authentic Media, por sua disponibilidade para colocar à disposição do público em geral estas narrações contundentes.  Agradeço também a todos que nos deram permissão de incluir seus relatos e artigos.

Sem dúvida você também gostará de pesquisar os sites da internet que estão indicado no final das páginas deste livro, assim melhorando ainda mais sua experiência de leitura, ouvindo os sons enormemente diversos da adoração do corpo de Cristo. Nestes sites também se encontram fotografías e outros materiais disponíveis.

Sabemos de só um mortal que pode dar uma olhada na celebração incrível do além que está descrito em Apocalipse capítulo 7, versículos 9 e 10.  Deus convidou João que entrasse atrás de um véu da eternidade para visualizar a vasta reunião da comunidade humana redimida, unindo-se com a celestial, perante o trono. A Nova Versão Internacional diz assim: Depois disso olhei, e diante de mim estava uma grande multidão que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, de pé, diante do trono e do Cordeiro, com vestes brancas e segurando palmas. E clamavam em alta voz: "A salvação pertence ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro".

Este hino, que compreende o gigantesco mosaico dos idiomas, das melodías, dos ritmos e das harmonias do mundo, reside em mistério.  Nenhum comentarista se atreve a dizer-nos se João os ouviu louvando em idiomas distintos, ou se todos de uma vez em unísono.  Esperamos com paciência o momento quando nós também o ouviremos no céu.  Até então, estes relatos de adoração de todo o mundo nos lembram que dia após dia, ano após ano, melodía após melodía, ritmo após ritmo, o grande ensaio está sendo conducido, esperando o momento quando uniremos nossas vozes com este hino trovejante da eternidade.  Feliz leitura.

Frank Fortunato
Atlanta, Georgia
Novembro de 2005

Tradução e adaptação de Elcio Portugal
[email protected]